quinta-feira, agosto 18, 2016

5 passeios de carro para conhecer o Gerês

Guardo o Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) no coração. Uma vez que sou do Norte, visitei-o muitas vezes: em criança, com o meu irmão e os meus pais; na adolescência, em aventuras com os meus primos e ultimamente a dois, com o Paulo. Porque é uma zona que conhecemos bem, preparámos para si - que não sabe o que visitar ou que gostaria de descobrir locais novos - 5 itinerários de carro pelos lugares de que mais gostamos na Peneda-Gerês (ou perto). São passeios que poderão ser feitos quer em 5 dias quer separadamente, conforme o tempo que tiver disponível.

Dia 1

  • Soajo: visitar a aldeia e a eira comum, uma enorme laje granítica com 24 espigueiros de pedra, onde a população costumava guardar o milho e outros cereais.
  • S. Bento do Cando: passear por uma branda, isto é, um dos núcleos habitacionais característicos da serra para onde as pessoas se deslocavam com o gado na primavera/verão.
  • Percorrer a estrada até Lamas de Mouro, uma estrada que quase ninguém conhece e que, para nós, é uma das mais bonitas do nosso país.
  • Castro Laboreiro: visitar a aldeia e subir a pé até às ruínas do castelo, donde se avista uma das áreas mais selvagens do parque nacional.
  • Almoçar em Castro Laboreiro (a especialidade é cabrito serrano assado no forno).
  • Atravessar a estrada até ao Santuário de Nossa Senhora da Peneda, outra das nossas preferidas, passando por vacas cachenas guardadas por cães Castro Laboreiro e árvores cheias de líquenes (para se fazer devagarinho, respirando fundo).
  • Lindoso: visitar os espigueiros comunitários com um castelo como pano de fundo.
  • Jantar e dormir numa casa de turismo rural no Lindoso.



Espigueiros do Soajo

Dia 2

  • Partida de Lindoso em direção a Espanha.
  • Tomar um banho morno nas piscinas naturais do Rio Caldo.
  • De volta a Portugal, ver como é bonita a Cascata da Portela do Homem e, se tiver coragem, mergulhar na água verde transparente.
  • Atravessar a Mata da Albergaria, uma floresta mágica cheia de carvalhos seculares, onde se conserva um troço e marcos miliários da antiga via romana (Geira) que ia de Braga a Astorga.
  • Almoçar na Vila do Gerês (a especialidade é posta barrrosã).
  • Visitar a Cascata do Arado. Será que é nesta que mergulha ou, pelo menos, molha os pés?
  • Ir ao famoso Miradouro da Pedra Bela.
  • Observar o pôr-do-sol sobre a barragem da Caniçada a partir da Pousada Caniçada-Gerês.
  • Jantar e dormir na pousada ou numa casa de turismo rural na zona da Caniçada.



Barragem da Caniçada

Dia 3

  • Partida da Caniçada.
  • Trilho da Fenda da Calcedónia: atravessar uma estreita passagem entre dois penedos enormes até ao topo de uma fraga com vistas deslumbrantes sobre a serra dominada pelo granito. O caminho é exigente e difícil de encontrar, mas o Parque de Campismo de Cerdeira organiza visitas guiadas.
  • Almoçar no Campo do Gerês ou no Abocanhado na aldeia de Brufe. Mesmo que não vá comer a este restaurante, vale a pena sair do carro para apreciar uma vista panorâmica única sobre a Serra Amarela.
  • Visitar o Museu Etnográfico e a Barragem de Vilarinho das Furnas. A água da barragem submergiu a aldeia, mas às vezes ainda é possível ver as ruínas de Vilarinho das Furnas nas suas margens. O museu, edificado com pedras das antigas casas, resulta do desejo manifestado pelos habitantes de que se preservassem a memória e o património etnográfico da terra que um dia foi sua.
  • Visitar a aldeia de Germil, uma típica aldeia de montanha, no cimo de socalcos rasgados na Serra Amarela, onde quase não chegam visitantes e perto da qual costumam andar cavalos garranos em liberdade.
  • Jantar e dormir numa casa de turismo rural em Germil.



Barragem de Vilarinho das Furnas

Dia 4

  • Partida de Germil em direção a Espanha.
  • Tomar um banho quentinho nas poças de Bande, umas antigas termas romanas ao ar livre na aldeia de Baños.
  • Regressar a Portugal e visitar Tourém, uma localidade bem preservada, onde existe um grande forno comunitário e persistem tradições antigas.
  • Pitões das Júnias: reparar nos aspetos singulares da arquitetura rural da aldeia, visitar a cascata e o Mosteiro de Santa Maria das Júnias e guardar dentro de si a grandiosidade da Serra do Gerês que se vê no horizonte.
  • Jantar e dormir numa casa de turismo rural em Pitões das Júnias.



Tourém

Dia 5

  • Partida de Pitões das Júnias.
  • Visitar Montalegre, dominada por um castelo do século XIII, e almoçar por aí (as especialidades são posta barrosã, enchidos e presunto). Caso seja uma sexta-feira 13, à noite há festa rija na vila.
  • Descobrir as 7 lagoas naturais de Cabril: de água pura e transparente, as lagoas situam-se no curso do rio Cabril. Devido à sua elevada altitude na Serra do Gerês, o acesso é difícil, podendo ser feito pelo estradão que passa pela aldeia de Xertelo. Para aventureiros. (GPS: 41°45'30"N 8°01'37"W)
  • Atravessar a pé a Ponte da Misarela, também conheciada como "Ponte do Diabo".
  • Piscinas naturais no rio Fafião: perto da aldeia de Fafião, estas lagoas convidam a banhos nos dias mais quentes. Mesmo que não haja coragem para tanto, a beleza do local justifica plenamente uma visita. (GPS: 41°42'11"N 8°06'33"W)
  • Pousada Mosteiro de Amares: visitar o antigo Mosteiro Cisterciense do séc. XII, restaurado de forma exemplar por Eduardo Souto Moura.
  • Jantar e dormir na pousada, ou então em Terras de Bouro ou Braga.



Montalegre numa sexta-feira 13

Depois diga-nos como correu o passeio! Se tiver mais dias disponíveis e gostar de caminhar, poderá fazer um dos vários trilhos assinalados no Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Veja também

2 comentários:

  1. Excelentes dicas! Destaco especialmente a do dia 2!! vale mesmo a pena!

    ResponderEliminar
  2. Sugiro visitar também a baragem do alto lindoso é uma obra espetacular.

    ResponderEliminar