terça-feira, maio 31, 2016

O que mais gostámos de visitar no Japão

Gostámos de tudo o que vimos no Japão, mas dizer-vos para irem a todos os lugares que visitámos não vos ia ajudar a planear uma viagem nem leriam este texto até ao fim. Além destas 5 caminhadas, estes foram os locais mais especiais para nós.

1. Os templos menos conhecidos (e mais sossegados) de Quioto

Há mais de 1600 templos naquela que foi a capital do Japão entre 794 e 1868. Os que mais nos encantaram não foram os que constam das listas dos “melhores”, mas os menos procurados, como por exemplo Tofuku-ji e Daikakuji, onde pudemos relaxar e contemplar o que não tínhamos visto em fotos.


2. Floresta de bambus

Apesar de aparecer em todas as fotogalerias de Quioto, é um sítio que sempre quisemos ver ao vivo. Acordámos de madrugada, para caminhar no bosque à luz-do-dia-a-nascer e por alguns minutos, que pareceram segundos, não vimos praticamente ninguém.


3. Mercado Nishiki

Andámos de cabeça à roda no maior mercado tradicional de géneros alimentícios de Quioto: um espanto contínuo com os produtos - pickles, tofu, algas, vegetais, doces, chá, peixe e marisco variados - com uma apresentação tão perfeita que nos apetecia provar tudo.


4. Nara

Nesta antiga capital do Japão (séc. VIII), há templos budistas, santuários xintoístas, centenas de lanternas de pedra, um buda gigante de madeira e mensageiros divinos à solta pelos jardins, sob a forma de veados que se chegam a nós com meiguice, à espera que lhes calhe um biscoito. Visitámos a cidade num dia, a partir de Quioto.


5. Sakura

A principal razão para termos visitado o Japão entre Março e Abril foram as cerejeiras, para os japoneses símbolo da efemeridade da vida. E que bonitas que elas estavam, tanto de dia como de noite, quando finalmente as vimos plenamente floridas em Kanazawa e Tóquio.


6. Tóquio à noite

Um arco-íris de luzes e néons pelos prédios acima, desenhos animados com olhos grandes a sorrirem-nos, templos e santuários iluminados, restaurantes e lojas abertas, caracteres japoneses a anunciarem “hotéis do amor”, bares com "karaoke", bares onde só cabem duas ou três pessoas, balões vermelhos acesos, salas de jogos ensurdecedoras, ruas cheias de pessoas que caminham calmamente - Tóquio é uma cidade de sonho com 13 milhões de habitantes.


7. Nikko

Fomos a esta cidade perto de Tóquio num dos últimos dias da viagem. Mesmo depois de termos visto imensos templos e santuários, os de Nikko conseguiram surpreender-nos não só pela sua opulência dourada, mas também pela atmosfera mística que o nevoeiro e a chuva miudinha criaram nesse dia. As 70 estátuas Jizo junto ao rio também nos ficaram na memória.


8. Monte Fuji a partir do pagode Chureito

Foi deste pagode que mais gostámos de ver o Monte Fuji, depois de quase duas horas à espera que o céu ficasse limpo. A maior montanha do Japão, e a mais sagrada para o seu povo, é verdadeiramente imponente, atraindo, porém, tantas nuvens quanto turistas. Daí haver uma placa no local onde se pode ler: “Se não houvesse nuvens, não apreciaríamos o sol”.


9. Castelo de Himeji

Mesmo sem cerejeiras em flor, o maior castelo do Japão é uma visão monumental. Não tem as pedras expostas, como os nossos, nem ameias. É branco, com vários andares e telhados pretos sobrepostos uns nos outros. Para compensar a falta de flores, encontrámos uma feira com comida deliciosa e crianças felizes atrás de bonecos de peluche em tamanho real.


10. Leilão de atuns em Katsuura

Já tínhamos ouvido falar do de Tóquio, onde é preciso madrugar para conseguir estar entre as 120 pessoas que o podem ver por dia. O de Katsura não é tão famoso, mas não tivemos de madrugar nem de ficar à espera em filas para observar centenas de atuns luzidios, acabados de trazer do mar.


11. Parque e Museu Memorial da Paz em Hiroshima

Estivemos quase para não visitar Hiroshima, porque aprendemos a história dos livros e conhecíamos a cidade das fotos. Foi, ainda assim, uma das experiências mais comoventes de toda a viagem, sendo difícil conter as lágrimas ao saber, por exemplo, da história de Sadako, ao ver presencialmente os efeitos da devastação da bomba atómica e ao ouvir os testemunhos em vídeo de alguns sobreviventes, então crianças.


12. Miyajima

É uma ilha perto de Hiroshima, linda, verde, com um torii gigante no meio do mar, um templo flutuante e veados em liberdade.


13. Mercado Omi-sho em Kanazawa

Já escrevemos antes sobre o de Quioto e há também o de Tóquio, o maior mercado grossista de peixe do mundo. O de Kanazawa foi, porém, o nosso favorito, talvez por ter poucos turistas, por ser frequentado maioritariamente por locais e por não termos sentido, em nenhum momento, que estávamos lá a mais.


14. Osaka à noite

Lembram-se de Tóquio à noite, umas linhas acima? Osaka, a segunda maior cidade do Japão é parecida, só que aqui visitámos apenas uma zona, a de Minami, situada à volta da estação de Namba. Queríamos encontrar o famoso néon da marca Glico, um dos primeiros colocados junto ao canal Dotombori, mostrando um homem a correr. Queríamos encontrá-lo no meio de centenas de outros néons, ruas cobertas com arcadas cheias de comércio e anúncios, jovens excêntricos, lojas e restaurantes que estão abertos 24 horas por dia, caranguejos pendurados nas fachadas de prédios, palhaços mecânicos que rodopiam para nos chamar a atenção. No final, encontrámo-lo e, não sendo nada de especial, sintetiza aquilo tudo e a loucura latente que é o Japão.


15. E, claro, também adorámos fazer estas 5 caminhadas (curtas e fáceis) no Japão!

Veja ainda

1 comentário:

  1. Blog muito interessante. Fotos fantásticos! Bravo! Bravo! Convido a ver nossas viagens no photoandtravels blogspot.

    ResponderEliminar